“..Acaba o giz tem tijolo de construção, eu rabisco o sol que a chuva apagou¹….”

Você se lembra quando era criança e sua única preocupação era: “Do que vou brincar agora?”

Bons tempos, alguém diria. Na casa dos avós, com os primos, no sítio, numa casa de madeira, no quintal, no jardim, na rua, ou no parque da praça. A memória é tão fascinante que podemos sentir cheiros e nos lembrar das cores e sons que nos levam para aquele tempo.

Subir em árvores, lambuzar-se com manga, colher jabuticabas do pé, fazer trilhas no barro, pedalar, coletar galhos para fogueira, pular cordas, fazer comidinhas com folhas, brincar de amarelinha, cobra-cega, pega-pega, mula ou tantas outras.

E quando chovia todo mundo gritava e saía correndo. Mas, no fundo, essa era melhor parte.

O cheiro da chuva molhando a terra, ah aquele cheiro! O cheiro do bolo de vó à tardezinha, porque a chuva não só amolecia a terra, mas também o coração das avós.

Você voltava sujo e cansado para casa, mas não via a hora de chegar outro dia para recomeçar a brincadeira, que parecia não ter fim.

As melhores aventuras da infância só foram possíveis porque você não se importava em se sujar.

Mas, como será possível uma brincadeira saudável se a criança não puder se sujar?

Nos dias de hoje, as crianças passam boa parte de suas vidas reclusas nos prédios, longe dos benfazejos raios solares. O brincar ao ar livre se tornou escasso. O medo da violência é um dos motivos; existem outros. O uso excessivo de aparatos tecnológicos como celulares, tablets que atraem os pequenos e geram uma falsa impressão de segurança aos pais, nem sempre são assertivamente observados.

No entanto, as perdas são imensuráveis. Quanto as crianças perdem e deixam de aprender longe da grama, da areia, da argila, de outras crianças, e de tantas outras coisas boas!

Alguns pais temem que esta exposição à sujeira pode prejudicar a saúde dos pequenos; muito pelo contrário!

Médicos, pediatras e outros especialistas indicam que ambientes com algum grau de sujidade são importantes para que a criança crie anticorpos e fortaleça seu sistema imunológico. “Precisamos pensar no que é mais importante na promoção da saúde:  mantermo-nos afastados dos micróbios, ou sermos imunes a eles?”, indaga Emanuel Sarinho, presidente do Departamento Científico de Alergia da Sociedade Brasileira de Pediatria.

No entanto, não podemos confundir uma sujeira tolerável com um ambiente contaminado. Não se trata disto. Os tanques de areia das escolas, por exemplo, devem ser higienizados diariamente e armazenados de maneira adequada, bem como outros espaços de convívio, brinquedos e objetos pessoais devem seguir um padrão rigoroso de higiene.

Saiba quais são os 5 principais benefícios da criança se sujar

1 – Aumenta a autoconfiança

Crianças que brincam sem medo de se sujar aprende mais com suas experiências. Têm autoestima elevada e confiança em suas ações.

“Quanto mais a criança experimenta, explora, erra, tenta novamente e encontra o caminho, mais enriquece seu estoque de recursos para enfrentar o mundo no futuro”, Roberta Bento especialista em aprendizado da Universidade da Califórnia e Duke University.

2 – Desenvolve o cérebro e contribui no equilíbrio emocional

O brincar faz muito bem à saúde emocional dos pequenos. Quando a criança fica tão entretida a ponto de entrar em “estado de flow”, ela está muito concentrada na brincadeira, o que faz muito bem para o desenvolvimento cerebral, ajuda no equilíbrio das emoções, e controle da ansiedade.

3- Instiga a pesquisa, amplia a visão de mundo e a observação de fenômenos científicos

O brincar livremente com diferentes materiais e texturas faz das crianças pesquisadores mirins, instigados a buscarem sempre mais conhecimentos e desafios. “Sujar-se é também uma consequência de explorar diferentes materiais e descobrir como se comportam. Os líquidos se espalham rapidamente, escorrem, espirram. Os sólidos não, mas podem liberar algum tipo de resíduo ao serem tocados ou esfregados. Certas misturas são mais pegajosas e grudentas do que outras. Alguns alimentos e bebidas mancham, outros não. Todas essas percepções cotidianas ajudam a criança a compreender como o mundo funciona,” Beatriz Cardoso e Andrea Guida Bisognin, idealizadoras do Projeto Laboratório Educa.

4 – Refina a motricidade e contribui na aquisição de conceitos abstratos

Enquanto brincam aprendem, enquanto aprendem refinam sua motricidade. Desenvolvem conceitos como permanente e efêmero, destruição e criação. Que podem ajudar a lidar melhor com as situações do cotidiano e com vivências afetivas.

5 – Favorece trocas de experiências e a construção de relacionamentos

As brincadeiras ao ar livre e na escola proporcionam uma verdadeira troca de diálogos e experiências que são saudáveis e refletem durante toda a vida.

Dessa maneira, as crianças vão construindo sua personalidade, fazendo suas escolhas dentro do universo que é proposto para ela.

O papel dos adultos é potencializar as oportunidades para que a criança explore o mundo e se desenvolva, claro que tomando os devidos cuidados para se evitar riscos. Mas, permitir que se suje faz parte do cotidiano para uma infância feliz e saudável.

Flávia Gusmão
Diretora Geral Uniepre e Diretora Unidade Cantareira
www.escolauniepre.com.br