O RGE – Refluxo Gastroesofágico, consiste na passagem do conteúdo gástrico para o esôfago, com ou sem regurgitação e/ou vômito. É um processo considerado normal, fisiológico, que ocorre várias vezes ao dia em lactentes, crianças, adolescentes e adultos, quando ocasiona pouco ou nenhum sintoma. O RGE pode se apresentar de duas formas:

1- REFLUXO GASTROESOFÁGICO FISIOLÓGICO NÃO COMPLICADO

Apresenta-se através de manifestações digestivas, a regurgitação e o vômito, sem comprometimento do ganho pôndero-estatural ou outras complicações.

A prevalência é de 67% dos lactentes entre três e quatro meses de idade, no fim do primeiro ano somente 5% continuam com os sintomas.

2- DRGE – DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO – COMPLICADO

Ocorre quando o conteúdo gástrico refluindo ao esôfago promove incômodas manifestaçõesdigestivas ou extradigestivas, dor epigástrica, regurgitação e dor torácica com ou sem complicações.

A doença é de ordem multifatorial e complexas manifestações como alterações na barreira anti-refluxo, diminuição do tônus do esfíncter esofágico inferior.

É comum observar as seguintes ocorrências com o bebê decorrente do RGE e ou DRGE:

  • Regurgitações e vômitos frequentes;

  • Os bebês não ganham peso e podem até perdê-lo;

  • Inflamação da parede que reveste o esôfago, em função da acidez estomacal causando esofagite;

  • Dificuldade para mamar;

  • Irritabilidade;

  • Choro excessivo;

  • Sono agitado;

  • Otites de repetição.

CUIDADOS

  • Após as mamadas, para o bebê arrotar, deve-se colocá-lo no colo “em pé” por pelo menos 30 minutos antes de deitá-lo;

  • Evitar balançar o bebê após a mamada;

  • Evitar vestir o bebê com roupas apertadas, manter medidas antirrefluxo mesmo durante as trocas;

  • Caso seja necessária a utilização da mamadeira, oferecê-la ao bebê sempre elevada, com o bico sempre preenchido pelo leite, para impedir que a criança engula muito ar;

  • Quando for deitar o bebê é fundamental deitá-lo de barriga para cima (chamada posição de segurança) e elevar a cabeceira do berço ou da cama da criança em 30º, para que a ação da gravidade ajude o esvaziamento do estômago;

  • Nunca deixar as crianças dormirem sozinhas.

A equipe da creche pode realizar um levantamento para identificar crianças que tenham o diagnóstico de RGE e como medida de prevenção e cuidado, realizar encontros formativos com equipe da saúde e manter exposto no mural da sala cartaz/lembrete sobre os principais cuidados.

Exemplo:

refluxo

> Para saber mais veja aqui

Por Ellen Del Grande
Coordenadora do Núcleo de Saúde UNIEPRE

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.