Dos elementos da natureza a areia é, sem dúvida, um dos preferidos entre as crianças.

As várias possibilidades de brincadeira dão imenso prazer durante suas descobertas, que vão de pesquisas de volume à construção de bolos, comidinhas, torres e castelos.

As crianças apreciam tanto este espaço do parque externo, que o chamam de “nossa prainha”.

Mas uma pergunta é fundamental:

 – Você sabe se a areia em que seu filho brinca é segura ou está contaminada?

A contaminação dos parques de areia utilizados na recreação infantil constitui grave problema de saúde pública, devido à possibilidade de transmissão de parasitoses, como ascaridíase, teníase, ancilostomatíases e, especialmente, larva migrans viceral e larva migrans cutânea, que é o popular “bicho geográfico”.

Como toda parasitose, o organismo da criança é afetado, e em graus maiores, pode provocar problemas dermatológicos e nutricionais, evoluindo até para casos crônicos intestinais.

Na UNIEPRE realizamos tratamento diário específico para a areia. Consta na rotina do profissional da Higiene Ambiental a manutenção do tanque de areia, o que implica em cuidados com a lona que cobre a areia durante o não uso,  e da própria areia, utilizando produtos adequados. Estas ações garantem a segurança microbiológica, atestada pela Certidão de Qualidade, emitida pelo Instituto Adolfo Lutz, após análise de amostras.

Como acontece: O Instituto Adolfo Lutz (IAL) responsável por processar coletas, periodicamente vem em nossas unidades, coleta, no mínimo, oito amostras de areia de cada área do tanque e depois de analisar as amostras nos autoriza ou não a continuidade do uso.

PRÁTICAS DE MANUTENÇÃO E CUIDADOS COM A AREIA EM NOSSA ESCOLA:

  • Ao anoitecer, cobrir o tanque de areia com lona vinílica, resistente de forma a proteger toda a areia contra o acesso de animais;
  • Logo no primeiro horário do dia, descobrir a areia e guardar a lona em local reservado;
  • Revolver toda a areia, expondo-a ao sol, fator de desinfecção pela própria natureza;
  • Rastelar uma vez ao dia para remoção de folhas;
  • Semanalmente, realizar aplicação de solução desinfetante à base de hipoclorito de sódio;
  • Trimestralmente ou semestralmente, dependendo do fluxo de crianças, substituir toda a areia por areia nova;
  • Submeter à análise dos órgãos sanitários, e mediante laudo atestando qualidade, retoma-se o uso do tanque.

EQUIPE UNIEPRE

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.