Encarar o estudo na escola de Educação Infantil sob uma perspectiva lúdica do conhecimento, implica não apenas fazer associações dos projetos com as brincadeiras, mas em propor situações nas quais o aprendizado seja uma aventura de conhecimento relacionada com a forma de pensar das crianças em cada etapa da primeira infância.

As crianças são muito generosas em compartilhar seu encantamento com o mundo; é impossível ficar imune ao seu olhar curioso e à energia que desprende ao explorar tudo a sua volta.

Tudo entra no jogo da descoberta.

Ciência, arte, e brincadeira não acontecem separadamente. A criança brinca ao mesmo tempo que investiga, ao mesmo tempo que constrói o aprendizado. O universo científico está intrinsecamente relacionado ao universo lúdico.

Ao planejar as atividades, pensamos na constância para que as crianças se tornem íntimas dos objetos de estudo, podendo aprimorar e aprofundar suas pesquisas.

Por várias vezes, organizamos um espaço da escola com folhas e várias cores de giz, materiais que aos olhos de um adulto são simples, mas que expõem o percurso criador da criança bem pequena. No início,  papel e folhas parecem não se encontrarem…

A criança marca o papel!

E assim percebe que é dona do traçado, ora forte, ora fraco, ora rápido, ora lento. E, à medida que se torna íntima dos materiais, o desenho se tranforma em linguagem; linguagem do corpo e da mente de um artista.

Isso sem citar os sentimentos “invisíveis” causados por tais experiências.

Assim é o nosso dia-a-dia na UNIEPRE.

Assim aprendemos e vivenciamos com as crianças na caminhada incansável de ora sermos educadores, ora sermos educandos.

Por: Luana Gonçalves
Gerente Unidade CUMMINS